Últimas Notícias


quinta-feira, 18 de junho de 2020

Governo e Sindicato das Escolas Particulares estudam retorno das aulas presenciais em agosto

Seduc estabeleceu previsão de data para dois grupos de estudantes. Regras para evitar a contaminação por coronavírus devem ser observadas; confira.

Governo começa a discutir retorno das aulas presenciais para agosto e com rodízio


Por Lis Lopes e Ludmilla Rodrigues, G1 GO e TV Anhanguera
 


O governo de Goiás estuda retomar, a partir do segundo semestre, as aulas presenciais, suspensas desde março devido à pandemia do coronavírus. As escolas particulares esperam reiniciar às atividades nas unidades em 3 de agosto. Já a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) estabeleceu um cronograma para os seus alunos.

De acordo com o órgão, a partir de 3 de agosto, devem voltar às escolas os estudantes que não têm acesso à internet. Para 24 de agosto está previsto o início para alunos do 3º ano do ensino médio. Ainda não há previsão da Seduc para o retorno dos demais estudantes.

Os grupos com datas já definidas deverão observar as seguintes regras:


  • Limite de 20 estudantes por dia na mesma sala de aula;
  • Escalonamento dos alunos: presença de cada um é permitida, no máximo, uma vez por semana;
  • Distância de 1,5 m entre as carteiras nas salas de aula;
  • Fornecimento de máscaras e álcool gel nas escolas.


De acordo com a secretária estadual de Educação, Fátima Gavioli, mesmo com os cuidados adotados, os alunos não serão obrigados a frequentar as aulas presenciais.

“Vamos continuar tendo aulas remotas até o fim da pandemia, até porque, o que nós queremos garantir é uma parte presencial, mas toda a estrutura mesmo, de 70 a 80%, vai continuar sendo remota”, afirma.

Previsão de retorno das aulas presenciais na rede estadual, em Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera


Rede municipal de Goiânia

Por sua vez, a Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) informou que “a volta às aulas presenciais depende da avaliação do quadro epidemiológico e recomendações das autoridades sanitárias responsáveis”.

Informou ainda que estuda cenários para um “provável retorno no segundo semestre” e que, por isso, já iniciou o processo de “adequação de suas instituições, independente de um período confirmado para volta”.

Rede privada

A rede privada optou por manter o ensino à distância, por enquanto. De acordo com o presidente do Sindicato das Escolas Particulares do Estado (Sepe), Flávio Roberto de Castro, as escolas da rede privada já estão recebendo orientações de como proceder em relação ao retorno presencial das aulas, previsto para 3 de agosto.

“Durante os meses de junho e julho, o sindicato vai capacitar as escolas a conversar com os pais, fazer a acolhida, usar o departamento de psicologia escolar, verificar o que é necessário e, a partir daí, começar o processo de aulas normais”, diz.

Em uma pesquisa virtual realizada pelo sindicato de 22 de maio a 4 de junho com os pais de estudantes, quase 55% dos participantes indicaram que o retorno gradual do ensino presencial é a melhor alternativa diante do atual cenário de pandemia. Mais de 70% dos pais votaram para que as aulas presenciais não retornassem antes de agosto.

Em relação ao nível de satisfação com o ensino à distância, a pesquisa indicou que 56% se mostraram satisfeitos, 17% muito satisfeitos e 24% insatisfeitos. Ao todo, mais de 35 mil pessoas responderam à pesquisa.

Aluna estuda pelo celular enquanto aulas presenciais estão suspensas em Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera



Via: G1


fixImgOG fixImgOG fixImgOG fixImgOG fixImgOG