Últimas Notícias


terça-feira, 7 de julho de 2020

Consultas eletivas do Ipasgo não foram suspensas, regras de atendimentos vão seguir normas do decreto estadual

Serviços de saúde estão mantidos, seguindo normas vigentes. Ipasgo pede que população busque informações em sites oficiais e evitem fake news



O Instituto de Assistência dos Servidores do Estado de Goiás (Ipasgo) esclarece que as consultas eletivas não foram suspensas. Os atendimentos de saúde aos usuários do Ipasgo estão mantidos e seguem as regras estabelecidas pelos decretos estadual n.º 9.685 e municipal n.º 1.242, que entraram em vigor em 30 de junho e 1.º de julho de 2020.

Seguindo a norma técnica estadual a partir desta segunda-feira, 6,  as consultas e procedimentos eletivos na rede credenciada ao órgão devem ser realizados com limite de 50% da capacidade. As regras também são aplicadas aos consultórios odontológicos. O objetivo é garantir critérios de segurança para os prestadores de serviços e pacientes.

 Conforme os decretos, as cirurgias eletivas estão suspensas temporariamente. Vale destacar que as cirurgias eletivos são aquelas que podem ser reagendados sem prejuízos à saúde dos usuários do plano. Devido à alta demanda por leitos de UTIs para internação dos pacientes com Covid-19, a medida vai evitar a superlotação e garantir a liberação de leitos para atender aos casos de internação em função da pandemia do novo coronavírus e casos gerais de urgência e emergência.

Saiba Mais

De acordo com os decretos estadual n.º 9.685 e municipal n.º 1.242, que entraram em vigor em 30 de junho e 1.º de julho de 2020, respectivamente, os estabelecimentos de saúde (que incluem consultórios e clínicas odontológicas) exercem atividades consideradas essenciais e não se incluem no revezamento de 14 x 14 dias fixado para as demais atividades, podendo funcionar da seguinte forma:

1) Não podem realizar cirurgias eletivas (somente de urgência e emergência)
2) Devem ser reduzidas em 50% a oferta de consultas e procedimentos ambulatoriais
3) Serviços de atenção primária à saúde podem funcionar com capacidade máxima


Via: Governo de Goiás


fixImgOG fixImgOG fixImgOG fixImgOG fixImgOG